Agende sua consulta: (92) 99292-8866 | 3584-3377 | 3584-3376

Notícias

Notícias

Usar testosterona tem risco relacionado ao câncer de próstata?

A deficiência de testosterona (também chamado de hipogonadismo = baixa de testosterona) é uma condição médica reconhecida há mais de um século. Ela está associada com sintomas que incluem diminuição do desejo sexual, problemas de ereção, fadiga, osteoporose, humor deprimido, massa muscular reduzida e aumento da gordura abdominal. Pesquisa mostrou que a deficiência de testosterona está também associada a um número grande de questões referentes à saúde dos homens, tais como: diabetes, obesidade, síndrome metabólica e fraturas ósseas. Vários estudos populacionais têm demonstrado a redução da longevidade naqueles homens com baixos níveis de testosterona. Estes baixos níveis hormonais podem impactar negativamente na capacidade das ereções penianas levando à disfunção erétil (“impotência sexual”). Como os homens envelhecem, é normal que diminuam os níveis hormonais gradualmente, ao longo de sua vida, mas nem sempre causando problemas de saúde.

O tratamento do hipogonadismo tem sido utilizado para melhorar os sinais e sintomas causados pela deficiência desse hormônio. Contudo, a terapia de reposição com testosterona só é indicada em homens com sinais ou sintomas, bem como baixos níveis de testosterona no teste sérico (exame de sangue). E isso traz ótimos resultados clínicos. Por mais de 60 anos, as especialidades médicas e a Urologia sempre viram, como supostamente certa, a correlação entre níveis elevados de testosterona e aumento de risco de câncer de próstata. Porém, vários estudos ao redor do mundo vêm sendo conduzidos e mostram dados que estão mudando esse paradigma, isto é, demonstrando que não há risco de desenvolvimento de câncer de próstata naqueles homens que recebem o hormônio.

Recentemente, o urologista Dr. Abraham Morgentaler, da Harvard Medical School – Boston, EUA, escreveu: “Existe total ausência de dados científicos para dar suporte ao fato de a testosterona elevada estar associada ao aumento de risco de câncer de próstata. Especificamente, não foram notados aumentos de casos de câncer de próstata quando se fez suplementação de testosterona aos pacientes que necessitavam.

A idéia de reposição hormonal masculina com testosterona pode ser considerada relativamente nova e, por isso, ainda é muito discutida dentro da comunidade científica e junto aos pacientes. Em primeiro lugar, pelo receio de efeitos colaterais provocados pelo uso irresponsável e abusivo da testosterona, como no caso dos esteróides anabolizantes, utilizados em algumas academias de ginástica, que podem causar infertilidade, impotência, atrofia testicular, entre outros problemas. Em segundo lugar, pela corrente que ainda acredita que, elevando-se os níveis de testosterona, aumentaria o índice de câncer de próstata.

Assim como indicado nas mulheres, a reposição de testosterona em homens tem por objetivo normalizar os níveis hormonais. A medicina é uma ciência dinâmica e a cada dia nos surpreendemos com novas informações. Hoje já é possível repor testosterona, inclusive, em homens que foram tratados do câncer de próstata e que apresentam um quadro clínico de hipogonadismo (dificuldades de ereção, baixa energia e baixo apetite sexual associados a níveis hormonais baixos).

Nossa mensagem tem como objetivo destacar a existência de tratamentos seguros e eficazes, a respeito de um tema ainda cheio de dúvidas, que interessa à grande maioria dos homens com baixos níveis de testosterona. Estudos, como os do Dr. Morgentaler, surgiram para quebrar mitos e preconceitos a respeito de uma terapia de reposição com testosterona que ajuda melhorar a qualidade de vida de muitos homens, que um dia sofreram e viveram as grandes mazelas do tratamento do câncer de próstata e hoje são sobreviventes… e podem usufruir da oportunidade de melhorar sua relação de intimidade sexual com sua parceira.

FONTE: SBU

Pré-Agende sua consulta!